Nome: Cidade: Email: Mensagem:
denuncia/contato
Arquivo de notícias
terça-feira, 14 de junho de 2016 Campanha Salarial 2016 quinta-feira, 02 de junho de 2016 Sindicato elege nova diretoria para o triênio 2016/20... quinta-feira, 02 de junho de 2016 Seminário sobre Acidentes e doenças do Trabalho
Artigos
Notícia
Deputados aprovam terceirização quinta-feira, 11 de maio de 2017

A Câmara dos Deputados aprovou na noite de ontem dia 22 um projeto que libera a terceirização do trabalho apresentado há 19 anos pelo governo Fernando Henrique Cardoso. A proposta de 1998, também anistia multas impostas a empresas e, agora, depende apenas de sanção de Michel Temer. Que podemos dizer: vai sancionar pelo compromisso que tem com os financiadores do golpe.

O PL 4302, de 1998, foi aprovado com 231 votos favoráveis, 188 contrários e oito abstenções. Em linhas gerais, o texto permite a terceirização em todas as atividades de uma empresa, tanto no setor privado quanto no serviço público.

 

Salários menores, jornadas maiores

Um estudo da Central Única dos Trabalhadores, com dados de 2013, mostra que os terceirizados recebem salários 24,7% menores que aqueles dos efetivos, permanecem no emprego pela metade do tempo, além de ter jornadas maiores.

Também há alerta para o maior risco de acidentes laborais, calotes trabalhistas e exposição a condições degradantes ou análogas à escravidão nas subcontratações (terceirizadas). Embora os defensores da terceirização sustentem que a medida possa reduzir custos para empresas sem afetar os direitos dos empregados, a matemática do patronato não parece fazer sentido.

“Se eu pago determinado valor ao funcionário e coloco um intermediário nessa relação, não tem como ficar mais barato sem perdas para o trabalhador. A empresa prestadora de serviço evidentemente visa o lucro”. A terceirização promove perda do direito às férias (pela alta rotatividade das prestadoras de serviço), redução de salário, aumento da jornada e consequente aumento do número de acidentes de trabalho e doenças ocupacionais. Entre outros tantos prejuízos aos trabalhadores.

 

VEJA COMO VOTARAM OS DEPUTADOS GAÚCHOS

E QUEM TRAIU OS TRABALHADORES

Rio Grande do Sul (RS)

Afonso Hamm PP Não

Afonso Motta PDT Não

Alceu Moreira PMDB Sim

Assis Melo PCdoB Não

Bohn Gass PT Não

Cajar Nardes PR Sim

Carlos Gomes PRB Sim

Danrlei de Deus PSD Sim

Darcísio Perondi PMDB Sim

Henrique Fontana PT Não

Jerônimo Goergen PP Sim

João Derly REDE Não

Jones Martins PMDB Sim

José Fogaça PMDB Não

Jose Stédile PSB Não

Luis Carlos Heinze PP Sim

Marco Maia PT Não

Marcon PT Não

Maria do Rosário PT Não

Mauro Pereira PMDB Sim

Paulo Pimenta PT Não

Pepe Vargas PT Não

Pompeo de Mattos PDT Não

Renato Molling PP Sim

Sérgio Moraes PTB Não

Yeda Crusius PSDB Sim

Total Rio Grande do Sul: 26

CENIN – Coordenação do Sistema Eletrônico de Votação.

 

SINDICATO - SÓ HÁ UM CAMINHO; RESISTIR, LUTAR, LUTAR E LUTAR!!!!