Nome: Cidade: Email: Mensagem:
denuncia/contato
Arquivo de notícias
terça-feira, 14 de junho de 2016 Campanha Salarial 2016 quinta-feira, 02 de junho de 2016 Sindicato elege nova diretoria para o triênio 2016/20... quinta-feira, 02 de junho de 2016 Seminário sobre Acidentes e doenças do Trabalho
Artigos
Notícia
A marcação do Cartão Ponto gera polêmica na categoria quinta-feira, 02 de junho de 2016

O Sindicato defende que o trabalhador seja liberado da marcação do ponto ao final do turno da manhã. Hoje por uma norma do MPT – Ministério Público do Trabalho é exigência que o ponto seja marcado para comprovar o tempo de trabalho. Segundo o MPT essa norma visa garantir o direito do trabalhador.

Para nós do Sindicato essa norma é prejudicial para o trabalhador, provoca atrasos para o trabalhador no intervalo do almoço. Tomar o ônibus, enfrentar o transito, pegar o filho na escola, preparar o almoço e atropela o retorno para o trabalho. O trabalhador vem de casa de carona, transporte coletivo ou mesmo de bicicleta ou a pé, é obrigado a aguardar a abertura do portão e a liberação do relógio, neste tempo ficam expostos ao sol, vento, chuva, frio ou calor. Também é uma exigência do Ministério Público.

Nós sabemos que ninguém começa a trabalhar antes do inicio 7 horas pela manhã e 13 horas à tarde ou alguém começa antes? O Sindicato defende como sempre fez que os portões  sejam como eram antes. Nas empresas com refeitórios seja oferecido, locais de abrigos para o trabalhador ficar no intervalo de almoço. Hoje em muitas empresas os trabalhadores ficam no tempo (desabrigados).

O que dizem as empresas:

Referente ao marcar o ponto no final do turno da manhã as empresas estão de acordo conosco, defendem a liberação da obrigatoriedade.  E ter cinco (5) ou dez (10) minutos para marcar ponto na entrada até pode ser, desde que os portões sejam abertos antes para comodidade de quem chega mais cedo. Então já propomos em conjunto com a patronal que o Ministério Público altere esses horários, mas até o momento o MPT continua irredutível. Vamos continuar lutando e insistindo até que os trabalhadores sejam ouvidos e respeitados pelos patrões e também pelo próprio Ministério Público do Trabalho.